O idiota

Sinopse: "Escrito em meio a crises de epilepsia, perturbações nervosas, viagens — e sob a pressão de severas dívidas de jogo —, O Idiota é um desses livros em que o leitor reconhece de imediato a marca do gênio. Nele, Dostoiévski constrói um dos personagens mais impressionantes de toda a literatura mundial — o humanista e epilético príncipe Míchkin, mescla de Cristo e Dom Quixote, cuja compaixão sem limites vai se chocar com o desregramento mundano de Rogójin e a beleza enlouquecedora de Nastácia Filíppovna. Entre os três se agita uma galeria de personagens de extrema complexidade, impulsionados pelos sentimentos mais contraditórios — do amor desinteressado à canalhice despudorada —, conferindo a cada cena uma intensidade alucinante que nunca se dissipa nem perde o foco. A tradução de Paulo Bezerra, a primeira realizada diretamente do russo em nosso país, traz para o leitor brasileiro toda a força da narrativa original."

Sinopse HQ: "“Em preto e branco, e num registro quase sem palavras, André Diniz propõe uma recriação surpreendente de O idiota, obra máxima de Fiódor Dostoiévski. Publicado em 1869 e escrito em meio a crises epilépticas e perturbações nervosas e sob a pressão de severas dívidas de jogo, o romance é um dos mais célebres da literatura mundial. Sua oralidade intensa encontra na explosão e na fluidez, na ternura e na enorme capacidade expressiva do traço de Diniz, uma correspondência única. A história é conhecida: após anos internado num sanatório suíço para tratar sua epilepsia, o jovem Míchkin retorna à Rússia e se vê envolvido num triângulo amoroso cujos ares folhetinescos darão o tom desta adaptação. Entre a vilania de Rogójin, um devasso perdulário que dilapida a fortuna herdada de seu pai, e a beleza arrebatadora de Nastácia Filíppovna, acompanharemos Míchkin e sua pureza quixotesca até o desenlace desta bela e trágica graphic novel.”

Título: O Idiota
Autor: Fyódor Dostoievski
Ano: 2015
Editora: Editora 34
Número de páginas: 688
CompreAmazonSubmarino





Título: O Idiota
Autor: André Diniz
Ano: 2018
EditoraQuadrinhos na Cia.
Número de páginas: 416
CompreAmazonSaraiva





Crítica O Idiota: Olá gente bonita, como vão vocês? Dessa vez eu e a Rafa viemos trazer para vocês uma resenha conjunta do livro O idiota e de sua HQ. Então vou dar uma breve introduzida no contexto e já dou a minha opinião para vocês.

O idiota foi um livro escrito pelo autor russo Fyódor Dostoievski em sua fase já madura e no meio de uma crise pessoal, e esse livro reflete bem o momento que o autor estava passando, principalmente por ele ser repleto de altos e baixos. O personagem principal desse livro o Lev Nikolayevich Mishkin foi criado com a intensão de ser uma mistura de características entre Jesus Cristo e Dom Quixote, ou seja, um personagem extremamente bondoso, que por viver em um mundo ruim e vil, adquire ares de comicidade, ou seja, de idiota.

Príncipe Mishkin é órfão de pai e mãe e foi criado por um amigo da família que após uma certa idade teve que enviá-lo para se tratar na Suíça, pois o mesmo sofria de epilepsia, e isso naquela época era uma doença grave, que mexia com os "nervos", tornando a pessoa fraca e doente. Porém, após 4 anos de tratamento, uma certa melhora do seu quadro e o falecimento do seu protetor, ele descobre que terá direito a uma herança e decide volta para a Russia, pois o seu médico já estava a lhe sustentar havia um certo tempo após a morte do seu bem-feitor.

Ao voltar para a Russia de trem para São Petersburgo, o príncipe conhece o espertalhão Rogójin, e um funcionário do governo chamado Liébediev, que serão personagens importantes durante todo o livro. Já no trem Liev houve falar pela primeira vez de Nastácia Filipnovna. Ao chegar em São Petersburgo o príncipe vai diretamente procurar sua única parente que ainda esta viva, Lisavieta, e ali conhece suas três filhas, entre elas Aglaia.

E é nessa dicotomia entre Nastácia, uma personagem extremamente bela, porém vil e manipuladora e Aglaia, uma personagem também bela, porém com uma doçura e ingenuidade juvenil, que a história se desenrola. O mais importante foco dessa narrativa é demonstrar que por o príncipe ser uma pessoa extremamente boa e não ver maldade em ninguém a sociedade o considera idiota, e por isso ele sofre uma manipulação constante de Nastácia, mesmo sem amá-la.

Michkin não segue nenhuma ordem pre-estabelecida, ele nunca enxerga apenas o seu lado, pelo contrário, coloca todas as pessoas a sua frente e por isso sua felicidade nunca é um objetivo. O personagem é tímido, carinhosos, cuidadoso, generoso, com uma alma tão pura quanto de uma criança e nos ensina a amar até quem nos faz o mal. Ele produz um grande efeito sobre todos que o conhecem, sendo sempre muito estimado apesar de muitas vezes não corresponder as expectativas da sociedade.
– Agora eu nunca mais vou considerá-lo um patife – disse o príncipe – ainda há pouco eu já o considerava totalmente um malfeitor, e de repente o senhor me alegrou muito – eis uma lição: não julgue se não tem experiência. Agora eu vejo que não se pode considerá-lo não só um malfeitor como também um homem demasiadamente estragado. Para mim o senhor é apenas uma pessoa das mais comuns que pode existir, apenas muito fraca e nem um pouco original.

Agora falando um pouco sobre a escrita, não é uma leitura leve e fluida, o texto muitas vezes é truncado, cheio de descrições e diálogos imensos. Porém, como todo clássico, vale muito a pena tentar desbravar cada página desse calhamaço, pois ele terá muita coisa a acrescentar para a sua vida. E para mim o maior questionamento do livro é se realmente vale a pena ser tão bom com as outras pessoas a ponto de se esquecer do que realmente te faz feliz.

Essa foi uma leitura difícil de ser completada, porém extremamente gratificantes, pois nos mostra a sociedade de um jeito bem exagerado, mas que se encaixa em alguns estereótipos do mundo atual. Recomendo a leitura desse livro, mas vá lê-lo sabendo que será difícil, mas que no fim, todo o esforço vai compensar.







Crítica HQ: Fala Marujos, infelizmente não me convenceu. Hoje trago essa trágica notícia logo no início da resenha, recebi a HQ “O Idiota” como parceiro de ação da Companhia das Letras e combinei com Cacau, eu faria resenha dela e ela do livro, tendo assim a resenha dupla.

Antes de mais nada não li o livro, somente a HQ e a impressão que tive dos personagens foram bem diferentes, bom, por ser um quadrinho quase sem falas, a primeira coisa que me incomodou foi a semelhança dos personagens, o que no início causa bastante desconforto, e me fez voltar várias vezes na descrição para saber quem era quem.

Bom, aí vem o problema da descrição de alguns personagens, o quadrinhista nos apresenta a somente 6 personagens, quanto na história tem alguns outros que não fomos apresentados. E pra piorar os que nos são apresentados tiveram a descrição bem confusa. O autor da HQ pressupõe que o seu leitor leu o livro original.

Conta-se a história Michkin que viveu sua infância/adolescência internado em um sanatório para curar sua Epilepsia, após a morte de seu tutor saí atrás de sua única parente viva. (Que na questão não sabe nem da sua existência). O personagem principal é super delicado e todos gostam dele, e se apaixona por Nastácia Flíppovna.

O que vemos desde o início é que todos os homens dessa história amam esta garota, e pra mim não deveria chamar o Idiota, e sim os Idiotas por que ela faz todos de besta. A dita cuja quer todos aos seus pés, fica com todos, e quando vê que eles arrumam outra e se casam, a danada volta, faz o cara abandonar a mulher e depois o abandona. Sério ela faz isso o tempo todo.

Bom pela HQ, não consegui ter empatia nenhuma por ela, o que no caso, me disseram que pelo livro ela é admirável, e é assim por seu passado ruim. Eu entendo que o passado dela a moldou, mas ela teve chance de fugir do mesmo, recomeçar, mas preferiu continuar sendo sacana. Então tá né.

O que posso dizer que amoooo HQs, e o traçado do André Diniz está lindo, uma pena não ter gostado da história, mas acredito que não deveria gostar do clássico também, e que não é culpa da HQ.

Pra quem gosta de HQ vale a pena a conferir, ainda mais por ser sem falas, nos leva a analisar melhor o desenho, e isso foi bem legal para o quadrinho, infelizmente não para a história.

Bjus, até a próxima.

8 comentários:

  1. Oi tudo bem? Resenha dupla que legal, foi um trabalho incrível, mas confesso que prefiro os livros a HQ, pois posso imaginar os personagens a minha maneira kkk. Pelo que entendi são as mesmas histórias, mas lendo a resenha de vocês percebi que a HQ deixou a desejar, por isso estou anotando a dica do livro, parabéns pela resenha de vocês e pela sinceridade em escrever a verdade sobre o que sentiram, bjs!

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Que resenha contrastante, o que deixou ótimo. De um lado temos alguém que não curtiu tanto a HQ, e do outro alguém que leu o livro e achou difícil, mas que vale a pena pelas reflexões finais. Ainda não tive oportunidade de ler o mesmo, mas sempre tive curiosidade afinal deve ter um motivo para ser considerado clássico. Adorei ver essa oposição e de nos trazer duas opiniões!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Que resenha interessante! Realmente essa HQ acaba trazendo uma proposta bem diferente,eu iria preferir que fosse com belos textos,mas entendo a intenção e acho que para quem leu o livro e gosta de analisar traços é uma opção interessante. Eu mesma me pego levando um bom tempo analisando traços por vezes XD

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia a premissa do livro, apesar de já ter visto diversas vezes, mas achei no minimo interessante. Imaginei que não se tratava de uma leitura leve, mas não curto excesso de descrição, acho que leria por curiosidade quando a mensagem que ele pode passar.
    Já o HQ poderia ser uma boa pedida, se eu tivesse lido o livro né?! Mas já odeio a dita cuja rsrs

    Beijos.
    https://acabinedeleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Aparentemente ninguém gostou muito dessa adaptação para HQ, né? Todas as resenhas que vi não foram muito positivas, infelizmente, ainda assim, eu fico bastante curiosa e gostaria de conferir só pra matar a curiosidade, sabe?

    ResponderExcluir
  6. Oi Meninas!

    Eu tenho muita vontade de ler os dois livros. Sei que não será uma leitura fácil, pois o clássico é um calhamaço e o HQ crio que será melhor aproveitado após a leitura do livro. A dica de vocês estão anotadas.

    Bjos
    https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Olá meninas,
    Que incrível essa versão em HQ, já faz um tempo que tenho curiosidade em conhecer as obras d autor, mas são sempre enormes e tempo está em falta por aqui, por isso acabo deixando de lado. Mas agora com essa versão, sinto que posso resolver meu problema e de quebrar me diverti.

    Beijokas

    ResponderExcluir
  8. Bom, até o momento de 3 resenhas que li sobre esse HQ, duas delas foram tiveram bastante críticas. Por outro lado, achei muito interessante essa coisa de duas resenhas HAHAHAHAHA Não é bem algo que eu leria, mas vou indicar para uma amiga. Beijinhos!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita! Comentários construtivos são sempre bem-vindos!
Caso tenha um blog, deixe o link do mesmo junto de seu comentário para que possamos retribuir a visita!